Crítica: “De Pernas pro Ar”

De Pernas pro Ar

Por Raphael Nogueira

Essa é provavelmente a primeira comédia que você verá no ano, e não pense que por ela ser nacional, é ruim.  De pernas pro ar conta a história de Alice (Ingrid Guimarães), uma workaholic que vê sua vida virando de cabeça pra baixo de um dia pro outro. E é sua vizinha Marcela (Maria Paula) que ajuda a coitada a se reajustar, incentivando Alice a explorar o mundo do sexo que, até aquele momento, estava sempre encoberto pelo trabalho.

Salvando a pátria

A atuação de Ingrid Guimarães como Alice salva o filme de um possível descontentamento com as piadas, já que são suas caras e bocas que, muitas vezes, fazem-nas ficarem engraçadas o suficiente para algumas risadas. Bruno Garcia interpretando João, marido da personagem fez uma atuação bem satisfatória, não se aproximando em nada do modelo de novelas que acabamos nos acostumando a ver.  Diferente também foi ver o filho do casal (João Fernandes) representado como uma criança normal, não um pequeno gênio de sotaque afetado. Decepcionante foi ver Maria Paula esbanjando sua sensualidade, que fica visivelmente exagerada, falsa. Não é porque ela é dona de um sex shop que precisa agir como uma prostituta.

Sustentável

Apesar de engraçadas, muitas das piadas utilizadas já vimos em outros filmes, como aquela da calcinha vibratória em um lugar público. Mas para uma produção nacional, que talvez nem tenha se inspirado em produções estrangeiras, o número de risadas foi justo, ainda mais para um filme que vem com a proposta de nos fazer rir. Mérito para outras idéias bem originais abordadas, igualmente engraçadas.

Na hora certa

Não se pode reclamar das músicas utilizadas durante o filme, em geral escolhidas muito bem em cada cena, às vezes até completando a idéia e, conseqüentemente, ajudando a melhorar o humor do filme. Até o uso dos funks foi bem feito -diferente de outras produções nacionais- fato que dá muitos pontos para o filme.

Nada original

A direção da fotografia decidiu não inovar em quase nada durante o filme inteiro, parecendo seguir um projeto de faculdade de cinema aqui ensinado. Closes nos rostos nas horas de conversa, câmera mais aberta nas partes que mostram as paisagens, e a típica câmera do elevador, do ponto de vista da porta. Só há um momento que se percebe uma exceção,  este que parece tentar imitar os vlogs (o modo de cortar bruscamente a filmagem), ainda que mal feito, dando a impressão que há algo errado com o rolo ou que o projecionista esbarrou no projetor e acabou pulando algumas partes.

Melhor no cinema ou na televisão?

Isso fica a critério do espectador. Não é um filme que após visto você se sinta arrependido de ter gastado seu dinheiro, nem que faltaram risadas. Só que não é nada de especial, é apenas outro filme que complementa o catálogo nacional, não te deixando de pernas pro ar. Mas que não deixa de cumprir seu papel e vale a pena ser conferido, numa sala de cinema ou na comodidade de sua casa.

NOTA: 3.0/5.0

Confira abaixo as estreias da semana!


Anúncios
Publicado em Críticas por Matheus Fragata. Marque Link Permanente.

Sobre Matheus Fragata

Formado em cinema pela UFSCar seguindo o sonho de me tornar Diretor de Fotografia. Sou apaixonado por filmes desde que nasci, além de ser fã inveterado do cinema silencioso e do grande mestre Hitchcock. Acredito no cinema contemporâneo, tenho fé em remakes e reboots, aposto em David Fincher e me divirto com as bobagens hollywoodianas. Tenho sonhos em 4K, coloridos e em preto e branco. Sempre me emociono com as histórias contadas por esta arte. Agora busco a oportunidade de emocionar alguém com as que tenho para contar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s